A chupeta do bebé: um aliado precioso

Chuchar é um instinto natural. Permite que o bebé se alimente, mas também tem a função de o confortar e tranquilizar, além de contribuir para a correta formação do palato e da boca.

file

A sucção é um instinto natural fundamental. Permite que o bebé se alimente, mas também é um meio fundamental para ser confortado e tranquilizado. Além disso, é através da sucção que o bebé aprende a coordenar a respiração e a deglutição, a estimular a função dos músculos do rosto e a desenvolver corretamente a boca. Se utilizar a chupeta, esta desempenha um papel importante, sendo aconselhável selecionar um produto especialmente desenvolvido, que se adapte à boca na perfeição e assegure uma distribuição correta da pressão da língua sobre o palato. E é precisamente a funcionalidade da língua que, ao chuchar, faz pressão sobre o palato e provoca o alargamento fisiológico, permitindo a correta formação da cavidade oral. Deste modo, a chupeta é um aliado precioso para a boca da criança. Mas não é só isso: de acordo com um estudo publicado em Paediatrics, a revista oficial da Academia Americana de Pediatria, a utilização da chupeta durante o sono pode ajudar a reduzir o risco de SMSL, porque a respiração é facilitada graças à posição da língua e o sono do bebé é menos profundo. Obviamente, além das características da chupeta, a sua utilização correta é essencial: é extremamente importante evitar mergulhar a chupeta em substâncias doces porque pode originar cáries e habituar a criança desde cedo a sabores excessivamente doces. Convém não dar a chupeta ao bebé assim que ele começar a chorar porque é a sua forma de comunicar com a mãe. Além disso, a duração de utilização é importante: o Ministério da Saúde recomenda a interrupção da utilização da chupeta até aos 36 meses de idade, iniciando após os 24 meses ações dissuasivas de modo a induzir o bebé a deixá-la.